LIÇÃO08
UM TOQUE NA LÍNGUA - Lição08

Criação: Prof. Eduardo F. Paes - Porto Alegre, RS




   Após à descontraída exposição sobre o Sistema DOSVOX, na qual Lucas surpreendentemente se esforçará, a fim de apresentar um bom desempenho diante da turma, uma torrente de perguntas mais específicas sobre esse ambiente operacional para deficientes visuais desabou sobre ele, fazendo-o pedir o auxílio de Zé Luís, seu colega cego de turma, para tentar responder a tantos questionamentos levantados pelos demais colegas, dado o grande interesse que o DOSVOX despertou em todos.

- Gente, já que esta é uma aula de Português, e essa exposição, feita pelo Lucas, foi apenas uma idéia que tive para que tanto ele quanto vocês tomassem conhecimento de uma das mais práticas e confortáveis ferramentas computacionais que um deficiente visual pode usar em sua vida acadêmica, sugiro que marquem uma outra hora no laboratório de informática para fazerem uma espécie de tira-dúvidas dosvoxiano e, assim, ficarem sabendo mais detalhes sobre as inúmeras possibilidades desse fantástico Sistema. Zé Luís, você topa fazer esses esclarecimentos junto com o Lucas, já que você é o fera no assunto e domina esse ambiente operacional melhor do que ninguém?

- Claro que sim, Professor! Eu vou adorar falar mais sobre o DOSVOX pra galera.

- Bem, tudo combinado, vou me valer, então, destes últimos minutos que faltam para terminar a aula para começar a lhes explicar os diferentes empregos da palavra "porque", aproveitando a deixa de tantos porquês que surgiram durante e depois da apresentação do Lucas.

- Puxa, legal, Mestre! Eu tenho muitas dúvidas sobre isso também.

- Sendo assim, João, preste muita atenção ao que vou explicar agora, e vocês aí fiquem ligados também! Vamos começar, então, pelo "por que", separado, que deve ser empregado nas seguintes situações: a primeira é quando aparecem claramente numa frase, ou estão subentendidas, as palavras "motivo" e "razão", havendo ou não interrogação na frase. Anotem estes exemplos: "Por que razão os alunos brasileiros lêem tão pouco atualmente?"; "Por que (motivo) vocês não foram à festa no sábado passado?"

- O quê? Festa no sábado passado?... Como? Quando? Onde? Não tava sabendo dessa festa, ninguém me contou... Puts!

- Calminha aí, Sr. Lucas! É só um exemplo que eu estou dando. Ninguém teria a coragem de não convidar, para qualquer evento que fosse, uma figura tão eminente quanto a do senhor.

- Puxa, meu grande Mestre, que susto que o senhor me deu! Mas ainda bem que o senhor reconhece que uma personalidade tão importante e ilustre como eu não pode faltar em qualquer festa...

- Hummm, como é pretensioso esse tal de Lucas! Fala sério!!! Aliás, Professor Edu, aproveitando essa deixa que o senhor disse também, qual a diferença entre as palavras eminente e iminente?

- Luana, segura sua dúvida aí só um pouquinho, que vou lhe esclarecer essa diferença depois de explicar os diferentes casos de emprego dos porquês, combinado?

- Beleza, Mestre!

- Bem, continuando. O "por que", separado, pode também vir em frases que não possuam um ponto de interrogação, mas que revelam um sentido interrogativo indireto. Por exemplo: "Não sei por que (razão) a diretora adiou a viagem"; "Ela não disse por que (motivo) pretendia sair mais cedo de casa"; "Não sabemos por que (razão) ele se afastou da nossa turma"; "O ministro não conseguiu explicar muito bem por que (motivo) o preço da gasolina não baixa, agora que o Brasil é auto-suficiente em petróleo".

- E por que eles não conseguem explicar isso pra gente direito, Professor?

- Olha, Norminha, este é um assunto meio complicado, que podemos deixar para discutir numa outra ocasião e que poderá até servir de tema para uma redação no próximo mês. Combinado, pessoal?

- Xiiii, porque essa Norminha não aprende a ficar mais quietinha na sala de aula... Agora vamos ter mais trabalho pra fazer... Puts, tô ralado!!!

- Ei, Lucas, você resmungou baixinho, mas pude ouvir muito bem o que disse... Nada de corpo mole, ouviu, meu rapaz!? Aproveito para lhe perguntar se esse porque, dito por você agora, deve ser escrito junto ou separado? Sua intenção era formar uma frase interrogativa direta ou indireta?

- Bem, Mestre, em verdade, em verdade, era uma indireta bastante direta...

- Tá legal, Lucas, já entendi! Vamos prosseguir então. Outro caso em que o "por que" deve ser escrito separado é quando ele pode ser substituído pelas expressões "pelo qual", "pela qual", "pelos quais" e "pelas quais". Guardem estes exemplos: A paz era o ideal por que (pelo qual) Gandhi tanto lutou"; "A razão por que (pela qual) não fui à sua festa, você logo saberá"...

- Hummm, lá vem o Mestre com essa história de festa novamente...

- Dê um tempinho aí, ok, meu rapaz, e Anote mais estes dois exemplos: "As enchentes e terremotos são um drama por que (pelo qual) muitos países estão passando"; "Só eu sei as esquinas por que (pelas quais) passei".

- Ah, isso aí é Djavan, não é Professor Edu?

- Sim, Abel, é um verso de uma das belas canções que ele canta. Mas prosseguindo. No caso do "por quê", separado e com acento, ele aparece apenas quando, nos casos em que citei anteriormente, vem no fim da frase, com interrogação ou não. Exemplos: "Alguns alunos não fizeram o trabalho e não explicaram por quê"; "Vocês brigaram e terminaram o namoro, por quê?"; "Teremos que chegar mais cedo amanhã na escola, Professor, por quê?..."

- Ah, Professor Edu, não faça essa maldade com a gente, não! Ter que acordar mais cedo ainda para vir à escola não vai ser fácil. Com este frio glacial que anda fazendo atualmente... Bruuuu...

- Ei, Aninha, e desde quando uma temperatura de 22 graus é um frio glacial?

- Ah, Mestre, para mim uma temperatura menor que 25 graus já é um frio glacial!

- Bem, turma, na verdade não teremos que chegar mais cedo amanhã ao colégio, mas teremos que deixar o restante das explicações do uso dos porquês para a próxima aula, porque nosso tempo já acabou.

- Ei, Mestre! Me diga então, rapidinho, qual a diferença entre as palavras eminente e iminente, já que na próxima aula eu posso esquecer de perguntar isso ao senhor.

- Ok, Luana. Anote aí então. Estes dois termos, que na verdade são considerados palavras parônimas, ou seja, palavras parecidas quanto à forma ou à pronúncia, mas diferentes quanto à significação, assunto para uma de nossas próximas aulas, significam o seguinte: eminente é alguém ou algo que se destaca, excelente, notável; e iminente é aquilo que está prestes a ocorrer, pendente. Guardou?

- Beleza, Professor Edu! Guardei, sim.

- Ah, anote também as palavras eminência, que quer dizer qualidade do que é eminente, superior, excelência. Pode ser também uma forma de tratamento conferida aos cardeais: Sua Eminência, quando nos referimos a um cardeal; e Vossa Eminência, quando nos dirigimos diretamente a ele. e a palavra iminência, que significa proximidade de ocorrência, qualidade, condição ou característica do que está iminente; ameaça, aproximação, urgência...

- Meu bom e amado Mestre, por falar em urgência, ameaça, e aproximação, está se aproximando uma ocorrência urgente urgentíssima, que me faz pedir uma licencinha ao senhor para sair bem rapidinho, a fim de ir ao banheiro, já que estamos na iminência de ouvir a explosão da eminente bexiga deste belo aluno que lhe fala...

- Ahahah, pode sair, Lucas, pois não queremos ficar perto de um homem-bomba urinífero, não é mesmo, turma!?


"A competência para grafar corretamente as palavras está diretamente ligada ao contato íntimo com essas mesmas palavras. Isso significa que a freqüência do uso é que acaba trazendo a memorização da grafia correta. Além disso, deve-se criar o hábito de esclarecer as dúvidas com as necessárias consultas ao dicionário. Trata-se de um processo constante, que produz resultados a longo prazo."

(Pasquale Cipro Neto & Ulisses Infante, Gramática da Língua Portuguesa)


UM TOQUE IMPORTANTE AOS DEFICIENTES VISUAIS:

PROCURE LER TAMBÉM EM BRAILLE, ELE O AJUDARÁ A FIXAR MELHOR A GRAFIA DAS PALAVRAS.


"Ensinar é um exercício de imortalidade. De alguma forma, continuamos a viver naqueles cujos olhos aprenderam a ver o mundo pela magia da nossa palavra. O Professor, assim, não morre jamais..." - Rubem Alves


Estude e informe-se em:

NOSSA LÍNGUA_NOSSA PÁTRIA - Um sítio a serviço da Língua Portuguesa, da Educação e da Literatura Brasileira.

www.nlnp.net

E-Mails: nlnp.ep@terra.com.br
        nlnp_edu@yahoo.com.br

Responsável: Prof. Eduardo F. Paes (Porto Alegre, RS)


"É pela educação, mais do que pela instrução, que se transformará a Humanidade." - Allan Kardec


VOLTAR À PÁGINA PRINCIPAL